segunda-feira, 25 de abril de 2016

Infinito

Parece que o dia está acabando. Mas dentro da minha cabeça ele se inicia de novo e mais uma vez a cada instante. Meus olhos guardaram lembranças pra fazer de destino depois. E esse depois já é agora. 
Saudade prematura. Dessas que precisam de banho de luz pra crescer e se manter com vida. 
Lembro do horizonte à nossa frente, aos poucos, desvirginado pela manhã que nos recebia. Tão distante o céu, e perfeito como só o artificial acha fácil ser, que fazia pensar no infinito. E eu só sentia como se estivesse indo rumo ao infinito com você. 
Mais um pouquinho, os raios entrecortavam a penumbra da jovial manhã e lancinavam em cima das pequenas folhas, filhas do outono, que se precipitavam na estrada para nos reverenciar. Brilhavam as folhas e cintilavam o Sol. Que lá na frente, ainda por de trás das montanhas, me fazia pensar no infinito. 
Parece-me ser mais fácil pensar que é o infinito quando para além do que os olhos veem só há o que os olhos não sabem. Mas. É só de parecer. Porque o Sol nasceu todo, cruzou o céu, várias vezes. Se pôs, renasceu, você foi minha e eu me dei. E foi como um suspiro! De repente, tinha sido um vento que soprou meu rosto. 
A brisa que deu, de tão leve, acalmou meu anseio de atracar em você. Então, eu baixei minhas velas e permaneci. Mas o infinito era só uma miragem. A miragem do oásis que é ter você pra mim. De tão bom o tempo se insurge. E segue dando as voltas de quem não vai retroceder. Descobri que não era o infinito. Era a iminente promessa em constante cumprimento de um futuro presente com você.

Nenhum comentário: