terça-feira, 18 de novembro de 2008

Direito.


Engraçado como as pessoas pedem para ser o que somos realmente. Acontece que certamente muitas delas não aguentariam. Se já não aguentam agora...
Eis que não se trata de uma questão de falsidade e sim de saber viver. Ninguém tem a obrigação de sair divulgando ao mundo suas verdadeiras facetas, muito embora eu discorde daqueles que escolhem semear biografias irreais. Quero dizer, você não está errado quando opta por guardar somente para você algo que julga somente seu... Uma dor, um segredo. Mas é tremendamente estúpido quando além de decidir esconder algo, cria um conto sobre aquilo... Uma mentira, uma história. Não sei se estou colocando claramente minhas idéias...
O que quero dizer também é: Se você prefere que as pessoas sejam realmente verdadeiras, seja alguém apto a aceitar as verdades alheias. Oras, como espera que alguém lhe conte um segredo que será recriminado? Mesmo que você não recrimine nada, policie-se também para guardar para si aquele olhar torto de decepção ou de surpresa negativa.
Confiança não tem nada a ver com isso, não se trata de cogitar que o segredo será editado ou que todos acabarão sabendo e, sim, que, instantaneamente no momento em que for contado, algo já estará errado, algum sentimento irá se colocar incômodo, na verdade, desacomodado dentro de si, como se algo íntimo demais fosse violado. Abrir-se para o outro é um direito que a amizade – e relações em geral - nos proporciona e não uma obrigação.

‘Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma’. - William [FODÃO] Shakespeare.

-
Por favor, não vá se dar o luxo de achar que esse post foi feito pra você. Mas já que está aqui, uma auto-avaliação ou uma simples reflexão não nos faria nada mal.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Feliz Aniversário, Thalita!

Thata, PARABÉNS, okay? Tudo de bom, muitas felicidades, grandes conquistas, saúde e todo aquele mimimi de aniversário, :B

Você sabe o quanto significa pra mim né? Espero que tenha alguma idéia, pelo menos. Acabei de chegar da sua casa, já são 23:09, eu to com sono e amanhã vai ser um dia bem light, mas eu tenho que fazer esse post pra você ainda hoje
*-* Você merece, pequena. Há quanto tempo nós estamos juntas hein? E isso tá tão bom, nossas zoações, nossos comentários, nossos rolês, nossas piadinhas internas... Ah, ultimamente tem tanta coisa boa compondo nossa convivência, nossa amizade. É tudo tão essencial... Como você, Anã. Gostaria que lembrasse que te amo muito e que você é super importante na minha vida. Acho que já passamos e dividimos muitas coisas durante esses anos, e quero que continue tudo assim. Tá ficando velha mesmo hein? Isto é, você fez DEZESSETE ANOS :O Nem quero comentar sobre quanto falta pra esse dia chegar pra mim; mas até lá espero ter você aqui, Thata, pra rirmos e sofrermos, ou simplesmente vivermos tendo uma a outra como companhia e apoio - Bom, você me terá, pelo menos. Eu escreveria mais, mas to cansada já .___.

Enfim, Feliz Aniversário, Thalita.

OBSERVAÇÃO: EU QUERO SABER O RELATO DO SEU SONHO, OKAY? NÃO ME ENROLE MAIS! E tenho dito.

- Muitíssima boa noite! Deixa eu dormir, que amanhã eu, isto é, nós vamos ralar.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Meu mais novo cesto de lixo ­ ­ ­ ­ *-*


A partir de hoje, despejo aqui todo e qualquer tipo de lixo que meu ser reproduzir em palavras.
O Rafa disse que queria me ver falando demais; é Rafa, temo que verá o que ansiou [Falando em Rafa, espero que esteja foda ai em Porto, viu? Amo você]. Eu vou despejar SIM tudo o que eu quiser falar, com nomes, sem nomes; pouco importa, mas a verdade é que prefiro o mistério.
Textos sentimentais, informativos, críticos... Quem sabe afinal? Desde o início eu já sabia que não ia me controlar, escreveria sem parar, sem me refrear. Claro, o que eu escrever aqui será a verdade, será fato e condizerá com meus reais pensamentos ou sentimentos, nem que seja apenas pra mim ou exclusivamente no momento em que escrevi. Não alego ser constante e muito menos o contrário - sinceramente, amo estar em transição *-*. Despejarei aqui, definitivamente, minhas experiências, meus sentimentos, meus pensares. Presumo que nada muito premeditado, serão meus deslizes, minhas confissões acidentais.
Isso não é um diário, é meu jornal informativo. Eu não sei que tipo de coisa vou confessar aqui, mas já que é tudo bem acidental, é natural que eu realmente não saiba.

Quem vos fala sou eu. Amanda, Naninho, A.J. ..., como queira.