sexta-feira, 26 de junho de 2009

Cem anos de perdão.

[...]
Eis-me afinal diante dela. Paro um instante, perigosamente, porque de perto ela é ainda mais linda.
[...]
Nunca ninguém soube. Não me arrependo: ladrão de rosas e de pitangas tem 100 anos de perdão. As pitangas, por exemplo, são elas mesmas que pedem para ser colhidas, em vez de amadurecer e morrer no galho, virgens.


Clarice [MINHA MUSA E NENHUM POUCO MACABÉA] Lispector.

Nenhum comentário: